Demolidor [2ª Temporada] | Crítica

2039 Visualizações Deixe um comentário

Após assistir todos os episódios da 2ª temporada de Demolidor, série da Marvel produzida pela Netflix, penso o que mais os produtores podem criar para nos impressionar.

Eu sou um cara chato quando o assunto são séries, ainda mais quando abordam gêneros que eu tanto gosto. Enfim, de todas as séries de super-heróis que acompanho, algumas só estão ali para me manter informado sobre o atual universo Marvel e DC, porque sinceramente estão tristes por demais (me refiro a Arrow mesmo, ok?).

Mas felizmente há ainda muitas séries boas, outras progredindo e que eu acredito que ainda irão melhorar bastante. Porém o que é isso que a Netflix vem querendo fazer? Qual o motivo que leva esta a transcender os conceitos que atualmente são vistos nos grandes filmes da Marvel e DC e em diversas séries de TV, animações e etc?

Uma cena onde um personagem leva um tiro no rosto, espalhando seus pedações pelo cenário, tudo isto filmado e estampado ali para nós vermos, com todos os seus detalhes. Pois é Netflix, o que você tem que outros não tem?

Eu já havia gostado bastante da 1ª temporada de Demolidor, também fiquei satisfeito com Jessica Jones, apesar de ser uma personagem que ainda está sendo modelada na TV. Mas esta 2ª temporada de Demolidor foi algo, digamos impressionante. Um verdadeiro filme contado em 13 episódios, com duração média de 1 hora.

Tudo que gostamos na temporada anterior, foi amplamente melhorada nestes novos episódios. A série pode até se chamar Demolidor, porém as participações de Justiceiro e Elektra foram tão boas que acredito eu, muitos fãs irão preferir estes ao protagonista. Frank Castle foi o que deveria ser, sem ser influenciado por aqueles momentos de moral que vemos em diversas séries. O cara veio para destruir, com uma história complexa e dramática da qual eu realmente fiquei fã. A participação de Elektra é outra coisa muito bem colocada, nos levando a pensar em algo e por fim nos surpreendendo com algo muito maior. E aquilo que eu mais queria, mas que por influência de outras séries me fez acreditar que não aconteceria é… Wilson Fisk está de volta em sua maneira mais “fina” e brutal.

Muita porrada, muito sangue e tiro na cara, tudo ali estampado em nossa TV, acompanhando o drama de Matt Murdock ao se deparar não com 2, 3 problemas, mas 5 ou mais situações drásticas ao mesmo tempo, influenciando fortemente sua relação com Foggy e Karen, que por sinal tiveram uma participação crucial na série. Hora ou outra estes dois personagens me chamavam mais a atenção do que outros problemas aparentemente maiores.

Houve muitas referências, dentre elas os primórdios da Guerra Civil, de Jessica Jones, do mundo místico da Marvel. Até mesmo a relação amorosa de Matt Murdock com Elektra e Karen foram muito bem temperadas e maduras, nada daquele drama chato que tanto nos irrita em determinadas outras séries.

Enquanto nos cinemas nos deparamos com grandiosos filmes, porém muitas vezes “castrados” pela censura e coisa e tal, Demolidor veio jogar na cara todo aquele universo lastimável que ocorre nas entrelinhas de Vingadores, Capitão América e etc. Não há espaço para piadinhas, tudo é caos, tudo é mostrado de forma bem real.

E para quem gostou da famigerada cena do corredor na primeira temporada, saiba que agora temos a cena da escadaria!

Para mim, Demolidor é o tipo de obra para calar a boca daqueles sujeitos que ainda pregam que filmes e séries de Super-heróis fazem parte de um tipo de arte pobre, juvenil e imatura.

Obrigado Netflix, por mim você seria responsável por todas as demais séries da Marvel e da DC Comics.

Leia mais sobre Demolidor
Leia mais sobre Marvel

Sobre o Autor

Sandro Pessoa

Metalhead, guitarrista, colecionador de livros e hq's, fundador do site MonsterBrain e Lorde Sith nas horas vagas.