Duna | Crítica

6 Visualizações Deixe um comentário

Duna de Frank Herbert, livro publicado pela Editora Aleph

Espetacular. Denso. Fantástico. Empolgante. De tirar o fôlego. Esses são alguns dos adjetivos que podem ser aplicados ao Duna. Não ignorar nenhuma das virgulas e sempre ter um olho no texto e outro nos apêndices é sempre muito importante, caso você venha confundir conceitos e termos desta fantástica aventura.

Duna

Duna, escrito por Frank Herbert é uma leitura bastante densa então, não se espante, caso seja um amante de leitura, mas perca alguns dias a mais do que o costume, nesta obra. Reconhecido mundialmente na literatura de ficção cientifica, Duna traz não apenas um enredo intenso, como também um conjunto de personagens extenso, que irá exigir o processamento neural e atenção constante do leitor, em alguns casos se você piscar poderá perder algo importante, então não pisque. (Risos). É importante ressaltar que se você gosta de leituras simples, Duna, talvez, não seja para você, mas se você gosta de livros onde você pode precisar ir sempre a fundo e compreender as mensagens nas entrelinhas, Duna é definitivamente para você.

Duna, acompanha a apoteose de Paul Atreides, nosso protagonista, no seu caminho do escolhido e de se tornar o messias que salvará Arrakis, também conhecido como Duna, e os fremem. Assim, no decorrer de seu caminho, você poderá ver muito de Neo de Matrix, no jovem Paul, que resiste em aceitar seu destino como o Escolhido, mesmo ciente de suas habilidades, tudo isso sendo catalisado por seus conflitos internos, dúvidas e demônios, em que o autor com maestria, sempre evidência. Fazendo que por vezes você se sinta na pele de Paul, e ciente do peso da responsabilidade em cada uma de suas escolhas e decisões.

Como pano de fundo da evolução do jovem Atreides, temos o conflito entre duas casas, onde de um lado os Atreides e do outro os Harkonnen. Paul, que é descendente dos Atreides, é fruto da relação entre Duque Leto e Lady Jessica, que governam um planeta chamado Caladan, muito similar à Terra, em todos aspectos. Isso, claro, até serem designados a governar Duna.

Toda a ação e aventura no livro se desenvolvem com a mudança dos Atreides à Arrakis, o que não agrada os Harkonnen. Assim, apesar da escassez de água neste planeta ele é muito importante e lucrativo a várias pessoas e corporações, devido a um mineral nele encontrado. Então, prepare-se para passar um bom tempo em Duna, se hidrate, e, não se esqueça de usar um bom protetor solar, pois a trama em sua maior parte ficará em Duna. (Risos)

O livro é cheio de reviravoltas e desfechos que lhe deixarão de queixo caído, do começo ao fim. Então prepare-se para encontrar planos dentro de planos, intrigas dentro de intrigas e reviravoltas em reviravoltas.

A escrita de Frank Hebert é sempre intensa, frenética e elétrica, mas translucida e cristalina como nossa água, nunca deixado pontas soltas, pois tudo sempre é bem esclarecido. Em sua obra, Hebert criou um ecossistema onde tudo é conectado, da política à cultura, das criaturas descritas à tecnologia, de maneira a proporcionar ao leitor uma excelente ficção cientifica.

Duna, que é publicado no Brasil, pela Editora Aleph vêm com a incrível e apaixonante tradução de Maria do Carmo Zanini e um designer espetacular, já tendo sido adaptado ao cinema por David Fynch em 1984 e uma minissérie do canal pago SyFy. Duna, teve seu reboot confirmado.

Duna é aclamado como um dos livros mais complexos e densos de ficção cientifica de todos os tempos. Logo, prepare para uma enxurrada de areia em cada um de seus neurônios ao longo de cada uma das suas 541 páginas, então esteja preparado, e, mantenha-se hidratado. (Risos)

Sobre o Autor

Rhaydrick Sandokhan

Apaixonado por tudo que popula a cultura PoP, GeekNerd,DataGeek... A propósito: "I'm Batman!"